Metacontingências e Macrocontingências: Revisão de pesquisas experimentais brasileiras

Jade C. T. Martins, Felipe Lustosa Leite

Resumen


Há mais de uma década foi publicado o primeiro experimento analítico-comportamental que utilizou
metacontingências como unidade de análise. Nesse período, pesquisas com macrocontingências também contribuíram para o entendimento de processos culturais e o desenvolvimento de pesquisa experimental. O presente trabalho objetivou catalogar estudos experimentais brasileiros que utilizaram
metacontingências e/ou macrocontingências, avaliar o desenvolvimento das principais manipulações
experimentais e organizar as contribuições para a área conforme os objetivos de pesquisa declarados.
Realizou-se levantamento e análise de artigos, teses de doutorado, dissertações de mestrado e trabalhos de conclusão de curso, distribuídos em dois tipos de manipulações não excludentes: análogos
de processos básicos e peculiaridades da seleção de práticas culturais. Foram listados 54 trabalhos, a
maioria de dissertações de mestrado que utilizaram metacontingências. Três aperfeiçoamentos procedimentais foram fundamentais para adequação dos procedimentos aos processos estudados: independência entre contingências individuais e culturais, diferenciação da natureza das consequências
culturais e consequências individuais, e mudanças geracionais. Os trabalhos frequentemente aferiam
os efeitos de mais de uma variável, considerando a complexidade da área e a busca por procedimentos
mais adequados. Discute-se o desenvolvimento dos procedimentos, a distribuição dos interesses de
pesquisa e possibilidades de análise com base nas revisões experimentais.


Palabras clave


Metacontingências, Macrocontingências, Revisão de literatura experimental, Análise Comportamental da Cultura, Contingências Comportamentais Entrelaçadas

Texto completo:

PDF