Cultura do estupro: considerações sobre violência sexual, feminismo e Análise do Comportamento

Júlia Castro de Carvalho Freitas, Amanda Oliveira de Morais

Resumen


ComportamentoRESUMOO movimento feminista tem usado a expressão cultura do estupro para defender que comportamentos sexualmente violentos são explicados contextualmente, não se tratando de ocorrên-cias isoladas ou de efeitos de agentes psicológicos internos. Considerando a compatibilidade entre feminismo e Análise do Comportamento e que esta pode ser uma ferramenta de transfor-mação de práticas sociais injustas e opressivas, o objetivo deste artigo consiste em apresen-tar uma análise comportamental de práticas culturais e comportamentos presentes na cultura do estupro a partir de considerações feministas. Foram empregados conceitos da Análise do Comportamento como modelagem, modelação e equivalência de estímulos para discutir a categorização por gênero, os modelos midiáticos de papéis sexuais, o conceito de mitos sobre estupro e como nos comportamos em função deles, as práticas de culpabilização da vítima e seu acolhimento e o processo de justiça relacionado à violência sexual. Ao final, aponta-se que a cultura do estupro pode ser caracterizada, em termos comportamentais, por um conjunto de contingências que são encorajadoras e/ou permissivas com práticas sexuais violentas e por um conjunto de classes de comportamentos sexualmente abusivos, dos mais sutis ao estupro, que ocorrem no contexto patriarcal.

Palabras clave


Gênero, Mulheres, Abuso Sexual, Práticas Culturais, Comportamentos Abusivos

Texto completo:

PDF