APLICAÇÃO DO RESÍDUO ARGILOSO DO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE (PERNAMBUCO – BRASIL) COMO ADSORVENTE DE CORANTE TÊXTIL

Victor Fernandes Bezerra de Mello, Juliana dos Prazeres Gama de Abreu, Joelma Morais Ferreira, José Fernando Thomé Jucá, Maurício A. da Motta Sobrinho

Resumen


O estado de Pernambuco, nordeste do Brasil, possui uma grande jazida de gipsita, o que tornou a região do Araripe como um dos principais pólos gesseiros do país. Aliado ao desenvolvimento econômico, tem-se a geração de grande volumes de resíduos originados da extração deste minério. Além deste pólo de desenvolvimento, no interior do estado há um pólo têxtil que responde por 14% da produção nacional de jeans. Unindo estes dois pólos, este trabalho tem por objetivo utilizar um adsorvente barato, como é o caso das argilas do bota-fora do Araripe, que é um passivo ambiental. Foram testadas argilas in natura e tratadas termicamente a diferentes temperaturas, para se otimizar o tratamento da mesma. Para a melhor condição, o resíduo foi caracterizado por difração de raios X e por BET. Em seguida foi realizado um planejamento experimental fatorial para se otimizar o processo adsortivo. Através dos resultados obtidos, concluiu-se que a melhor condição é para uma menor massa, maior agitação e menor temperatura, para ambos os sistemas corante/argila com uma remoção de 99,82%.

Palavras chave: adsorção; corante têxtil, resíduo argiloso; azul anil.


Palabras clave


adsorção; corante têxtil, resíduo argiloso; azul anil

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22201/iingen.0718378xe.2012.5.2.32647