MERCÚRIO TOTAL EM DUAS ESPÉCIES DE PEIXE DO RESERVATÓRIO E ADJACÊNCIAS DE UMA USINA HIDROELÉTRICA NA AMAZÔNIA, PARÁ, BRASIL

Julia de Souza Carvalho da Silva, Yuryanne Carvalho Pinto, Nathalia Prado Oliveira Parente, Rívolo de Jesus Bacelar, Débora Gomes Figueiredo, José Reinaldo Pacheco Peleja, Ynglea Georgina de Freitas Goch

Resumen


Foram analisadas as concentrações de mercúrio total (HgT) em Serrasalmus rhombeus (Linnaeus, 1766) e Hemiodus unimaculatus (Bloch, 1794), com ocorrência nos períodos de águas altas e águas baixas e em diferentes ambientes da UHE (Usina Hidroelétrica) de Curuá-Una. As coletas foram realizadas em março e novembro de 2017, em três ambientes (reservatório, sistema fluvial à montante do reservatório e sistema fluvial à jusante do reservatório). Posteriormente, amostras de tecido da parte dorsal foram solubilizadas com HNO3 e HCl para determinação da concentração de HgT por Espectrometria de Fluorescência Atômica a Vapor Frio. As concentrações médias de HgT para a espécie S. rhombeus (318.33±236.82 ng.g-1), foram significativamente maiores (p= 0.000) quando comparadas com as concentrações para H. unimaculatus (113.76±79.97 ng.g-1). Foram detectadas diferenças significativas (p= 0.000) entre as concentrações de HgT para H. unimaculatus entre os períodos de águas altas (143.51±79.18 ng.g-1) e águas baixas (69.06±45.26 ng.g-1), para S. rhombeus também foram observadas concentrações médias de HgT significativamente maiores (p= 0.014) no período de águas altas (395.69±226.95 ng.g-1). As concentrações médias de HgT para a espécie H. unimaculatus foram significativamente diferentes (p= 0.002) ao longo dos ambientes de coleta, com as maiores concentrações para as amostras coletadas no reservatorio (150.24±96.26 ng.g-1). Já para os espécimes de S. rhombeus, as maiores concentrações foram registradas à montante do reservatorio (377.98±245.51 ng.g-1), se diferenciando significativamente (p= 0.010) das concentrações encontradas para as amostras coletadas no sistema fluvial à jusante (168.53±60.77 ng.g-1). Além de evidenciar o processo de biomagnificação, este trabalho também sugere que as concentrações de HgT encontradas estão sendo influenciadas pelo aporte de HgT alóctone, disponibilizado do solo para o meio aquático através de ações antrópicas, como o desmatamento.


Palabras clave


biomagnificação; hábito alimentar; metal pesado

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))


DOI: http://dx.doi.org/10.22201/iingen.0718378xe.2022.15.1.75128