Avaliação da efetividade da estabilização de lodo de esgoto, térmica e/ou química, objetivando a reciclagem agrícola

Reginaldo Ramos, Alessandra Pereira Ribeiro da Silva, Daniel Pereira Oliveira, Luciana Silva dos Santos, Sheila Barbosa Martins

Resumen


A disposição final do lodo de esgoto é um grande problema ambiental, principalmente, nos grandes centros urbanos. Há diversas alternativas de disposição final do lodo de esgoto, entretanto em todas estas o lodo necessita ser tratado adequadamente, o que envolve investimentos relevantes.

Este estudo dedicou‐se a avaliar a eficiência da calagem como método químico de estabilização, a secagem térmica como método físico e a associação de ambas na busca de maior eficácia e menor custo. Como norteador das metas de estabilização e desinfecção foi focada a reciclagem agrícola do lodo por ser o parâmetro mais restritivo em termos de qualidade sanitária e ambiental.

Foram realizados testes em planta (escala real) acompanhados pelos laboratórios de controle de qualidade do Departamento de Controle de Qualidade de Esgotos da Companhia Estadual de Água e Esgotos (CEDAE).

Os resultados informam a excelente qualidade sanitária e ambiental dos lodos de esgotos produzidos nas estações de tratamento de esgotos (ETE´s) da CEDAE, os quais apresentam baixa concentração de metais pesados e baixa densidade de coliformes termotolerantes. Tais resultados unidos à avaliação preliminar do potencial agronômica do lodo, indicam que os lodos de esgotos estudados apresentam alto valor para a reciclagem agrícola.

O estudo de estabilização por secagem térmica apontou para a necessidade de realizar o processo de secagem em temperatura igual ou superior a 100ºC por 2 horas. Além disso, observou‐se que o uso de temperaturas abaixo de 100ºC podem ser aplicadas com o uso combinado de cal.

Palavraschave: Lodo de Esgoto, Estabilização Química, Secagem Térmica, Reciclagem Agrícola.


Palabras clave


Sewage sluge; Chemical Stabilization; Thermal drying; Agricultural Recycling

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22201/iingen.0718378xe.2009.2.1.13102